Brigadas digitais da CUT esbarram em propaganda eleitoral ilegal pró-Lula
 Imagem: Divulgação / Internet

Brigadas digitais da CUT esbarram em propaganda eleitoral ilegal pró-Lula

A organização das chamadas brigadas digitais pela CUT, em que pessoas são chamadas a criarem grupos de WhatsApp e cadastrá-los junto à entidade para envio de materiais a favor do ex-presidente Lula

A organização das chamadas brigadas digitais pela CUT, em que pessoas são chamadas a criarem grupos de WhatsApp e cadastrá-los junto à entidade para envio de materiais a favor do ex-presidente Lula, abre margem para discussão sobre ocorrência de doação irregular de entidade sindical para campanha eleitoral. Isso a depender de como essas brigadas sejam utilizadas.

Vídeo com falas de integrantes da CUT (Central Única dos Trabalhadores) citando a organização e o uso dessas brigadas com objetivos eleitorais foi noticiado pelo site Metrópoles.

Em um evento, o secretário de comunicação da entidade, Roni Barbosa, diz, por exemplo: "Uma brigada digital é nada mais, nada menos, do que um grupo de WhatsApp. Organiza os mais vermelhinhos dentro do grupo e lá vamos convencer toda a turma que este ano é Lula".

Ele também afirma que foram contratadas agências de publicidade e "empresa especializada para ajudar na tarefa de mandar as mensagens".

Em nota em seu site, a CUT negou que a iniciativa tenha como intuito fazer propaganda eleitoral. "A CUT não fez, não faz e não vai fazer propaganda político partidária."

"A CUT historicamente sempre se posicionou nos processos eleitorais, mas nunca pediu, não pede e não vai pedir voto para qualquer candidato. A CUT não propagou, não propaga e não vai propagar notícias sem veracidade ou comprovação", escreve ainda a central sindical ligada ao PT.

No site, a entidade explica o procedimento: primeiro, o interessado em participar das brigadas deve montar um grupo no WhatsApp com pelo menos dez pessoas; na sequência cadastrar o grupo no site das brigadas, com seu link respectivo. Esse grupo então, conforme explica Barbosa em vídeo, passa a contar com um administrador da CUT que passa a enviar conteúdos para esses grupos.

Marilda Silveira, advogada eleitoral e professora do IDP (Instituto Brasiliense de Direito Público), avalia que o fato de o representante da CUT dizer que a iniciativa deve ser usada a favor de certa campanha não torna a prática ilícita, mas exige atenção.

"Se essa ferramenta passar a ser utilizada para pedir votos ou para desconstruir uma outra candidatura, o que a Justiça Eleitoral chama de propaganda negativa, é um ilícito escancarado porque o financiamento de campanha de pessoas jurídicas e sindicais é proibida."

Ela aponta ainda que, pelas decisões do TSE, para configurar que há pedido de voto não é preciso termos como "vote em mim" e que no caso de financiamento irregular o pedido explícito de votos não é indispensável.

Elementos como o uso da ferramenta inserido dentro da estratégia de alguma campanha, por exemplo, podem ser utilizados.

Volgane Carvalho, secretário-geral da Abradep (Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político), considera que, caso o conteúdo não inclua pedido explícito de voto, não haveria ilícito.

"Ela [entidade sindical] pode utilizar para fazer informação política e dizer quais são os candidatos que atendem melhor os interesses da entidade. Desde que não tenha pedido de voto expresso."

O projeto das brigadas digitais foi apresentado a Lula no dia 4 de abril, durante encontro na sede da central. O presidente da CUT, Sérgio Nobre, informou ao ex-presidente a meta de organização de 50 mil brigadistas e afirmou que o movimento sindical vai ser decisivo nas eleições.

"Na nossa avaliação não vai ser uma eleição de discutir modelo de país, projeto de desenvolvimento, porque eles são assim. Vai ser baixaria. E nós nos desafiamos a organizar 50 mil brigadistas digitais que vão fazer o trabalho da rede. Desmanchar fake news, levar informação verdadeira para o nosso povo", disse Nobre na ocasião.

Naquele dia, ao discursar, Lula defendeu a profissionalização da comunicação em rede. "Se a gente quer usar a internet, primeiro, temos que profissionalizar a internet", disse.

Ele defendeu que os dirigentes sindicais fossem aconselhados a consultar diariamente a página da CUT para saber que orientação seguir. "Essa rede, quanto mais eficaz, mais chance a gente tem para fazer as pessoas amadurecerem do ponto de vista da consciência política", disse.

Tanto Carvalho (Abradep) quanto Silveira (IDP) consideram que, da forma como está desenhada a iniciativa, não há que se falar em disparo em massa, prática que é alvo de atenção desde a campanha eleitoral de 2018.

Eles fazem tal avaliação porque, apesar de haver menção à contratação de empresa de publicidade e especializada em envio de mensagem, não teria sido dito que o envio é automatizado.

Outro ponto que poderia tornar a prática ilícita no contexto eleitoral seria o envio para usuários sem seu consentimento. Contudo a criação dos grupos por usuários e a participação das pessoas nesses grupos já seriam suficientes, segundo eles, para configurar que há consentimento.

A nota da CUT diz ainda: "Todos os integrantes das brigadas digitais são pessoas físicas que se inscreveram e se cadastraram voluntariamente na ferramenta e deram consentimento para receber tudo que é produzido pelo setor de comunicação da CUT".

 

 

* Com informações: Folhapress
Agora Epitacio

Agora Epitacio

Portal de Notícias de Presidente Epitácio e Região

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Outras Notícias

img
Defesa e Forças Armadas apresentam notícia-crime contra Ciro sobre fala a respeito da Amazônia

Defesa e Forças Armadas apresentam notícia-crime contra Ciro sobre fala a respeito da Amazônia

Pedetista citou uma suposta proteção das autoridades brasileiras ao narcotráfico, “inclusive das Forças Armadas”, na...

24/06/2022

Defesa diz que Forças Armadas indicarão representantes para fiscalizar sistema de votação

Defesa diz que Forças Armadas indicarão representantes para fiscalizar sistema de votação

Em novo ofício, ministro lembra que resolução da Justiça Eleitoral, datada de dezembro do ano...

20/06/2022

Fachin não prevê reunião fechada com Forças Armadas para tratar de eleições

Fachin não prevê reunião fechada com Forças Armadas para tratar de eleições

O Ministério da Defesa enviou um ofício ao TSE pedindo uma audiência particular entre os...

20/06/2022

brand

Portal de Notícias com sede em Presidente Epitácio (SP).

Localização

Avenida Presidente Vargas, 1

contato@agoraepitacio.com.br (18) 99690-0179

Este website utiliza cookies próprios e de terceiros a fim de personalizar o conteúdo, melhorar a experiência do usuário, fornecer funções de mídias sociais e analisar o tráfego. Para continuar navegando você deve concordar com nossa Política de Privacidade.

Aceito. Não aceito.